quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Para entender a crise coreana

Se nem eles entendem, seria muita pretensão de nossa parte! Mas aproveitamos a crise para desmistificar alguns pontos. Não que seja o caso de defender a Coréia do Norte, mas, como já tem bastante gente condenando, façamos um contraponto.

1. A “tensão” na região só existe por parte da Coréia do Sul e de quem resolver se meter (Japão ou EUA, por exemplo). Ocorre que a Coréia do Norte está em permanente estado de alerta. Para os norte-coreanos, essa crise toda não mudou em nada o dia-a-dia da população (digamos que eles sejam naturalmente tensos). A não ser, é claro, que comecem a ocorrer exercícios militares em sua fronteira.

2. O permanente estado de alerta da Coréia do Norte tem uma causa: a Guerra da Coréia (1950-1953) nunca acabou. Foi assinado um armistício entre as três partes (Coréia do Norte, Coréia do Sul e EUA), mas que nunca se converteu em tratado de paz. As duas Coreias já fizeram várias negociações para converter o armistício em tratado de paz, mas nunca conseguiram, pois os Estados Unidos se recusam (o que garante a permanência das bem localizadas e convenientes bases militares americanas na Coréia do Sul).

3. A Guerra da Coréia, por sua vez, é outra história muito mal contada. No final da Segunda Guerra Mundial, para impedir a ascensão dos comunistas (que lideraram a resistência à ocupação japonesa), os Estados Unidos inventaram a divisão artificial do país, ficando o norte comunista e o sul capitalista. Ocorre que a Coréia do Sul era uma ditadura (a primeira eleição livre ocorreu em 1988), ou seja, não foi uma simples invasão de um país por outro. Quando o regime sul-coreano caiu (a Coréia inteira foi ocupada pelos comunistas), os EUA resolveram invadir com seus próprios soldados. Ocorre que o Exército dos EUA, sob o pretexto de “defender” a ditadura sul-coreana, invadiu o território da Coréia do Norte e ultrapassou a fronteira da China. Então a China entrou na guerra, ocupou a península da Coréia e empurrou os americanos até o mar. Nova reação americana e os EUA conseguiram retomar o território da Coréia do Sul. Então foi assinado o armistício e a vaca fria parou por ai.

Resumindo, a “tensão” entre as Coréias tem origens bastante americanas... Em vez de mandar porta-aviões para assombrar os devaneios grandiloquentes de Kim Jong-Il, os EUA deveriam assinar de vez o maldito tratado de paz e evitar provocações com este país nervoso e nuclear.

**********
De São Paulo-SP.

Mapa retirado daqui.

2 comentários:

  1. Guilherme Ortiz Moreira26 de novembro de 2010 02:36

    Por favor, leia último dossier das Nacoes Unidas (novembro 2010) sobre a Coréia do Norte:

    http://www.un.org/Docs/journal/asp/ws.asp?m=s/2010/571

    Parece bem claro como 99.999% da tensao na regiao é causada sempre por um país e somente um país: A República Democratica (?!?!) Popular da Coréia.

    Alguns trechos interessantes:

    "(Este) comite foi notificado desde 2009 sobre quatro casos de exportacao de armamentos. Uma analise desses casos indica que a Republica Democratica Popular da Coréia continua exportando items proibidos. Em casos como esses (a Coréia) usou uma serie de tecnicas para encobertar as medidas do Conselho de Seguranca, incluindo descricoes falsas de carga em containers, falsificacao de manifestos de carga, alteracao e falsificacao de vendedor e consignatário, uso de múltiplos intermediários, companhias de fachada e instituicoes financeiras.”

    E ainda:

    “As provas nesses dossiers indicam que a Republica Democratica Popular da Coréia continua fornecendo mísseis componentes e tecnologia para certos países, incluindo a Republica do Ira e República Síria (…) A República Democratica Popular da Coréia também ofereceu assitencia para um programa nuclear na República Síria, incluindo o design e a construcao de um reator em Dair Alzour.”

    ResponderExcluir
  2. Guilherme Ortiz Moreira26 de novembro de 2010 02:39

    Por favor, leia último dossier das Nacoes Unidas (novembro 2010) sobre a Coréia do Norte:

    http://www.un.org/Docs/journal/asp/ws.asp?m=s/2010/571

    Parece bem claro como 99.999% da tensao na regiao é causada sempre por um país e somente um país: A República Democratica (?!?!) Popular da Coréia.

    Alguns trechos interessantes:

    "(Este) comite foi notificado desde 2009 sobre quatro casos de exportacao de armamentos. Uma analise desses casos indica que a Republica Democratica Popular da Coréia continua exportando items proibidos. Em casos como esses (a Coréia) usou uma serie de tecnicas para encobertar as medidas do Conselho de Seguranca, incluindo descricoes falsas de carga em containers, falsificacao de manifestos de carga, alteracao e falsificacao de vendedor e consignatário, uso de múltiplos intermediários, companhias de fachada e instituicoes financeiras.”

    E ainda:

    “As provas nesses dossiers indicam que a Republica Democratica Popular da Coréia continua fornecendo mísseis componentes e tecnologia para certos países, incluindo a Republica do Ira e República Síria (…) A República Democratica Popular da Coréia também ofereceu assitencia para um programa nuclear na República Síria, incluindo o design e a construcao de um reator em Dair Alzour.”

    ResponderExcluir